Português (pt-PT)
botao_donativos facebook_32
Ínicio Áreas de Intervenção


IRS 2013


exposicao

palavrasatos

historias_com_direitos

25 Maio Dia Internacional das cCrianças Desaparecidas

Áreas de Intervenção

O Projecto Rua está dividido em 3 níveis de intervenção distintos – Directo, Local e Nacional / Internacional, sendo que se inserem nos mesmos as 5 áreas de intervenção:

 

nveis de interveno

 

– ÁREA DAS CRIANÇAS EM CONTEXTO DE RUA

Atentos às oscilações e mudanças que se têm operado na sociedade, esta equipa tem continuado a dar especial atenção à problemática do desaparecimento e exploração sexual de menores, com particular incidência nos que se encontram em situação de fuga, bem como na actualização do diagnóstico social na cidade de Lisboa face às situações de risco envolvendo crianças e jovens, sempre numa perspectiva de inclusão.

Tendo como “pano de fundo” o superior interesse da criança, a intervenção em contexto de rua processa-se segundo duas vertentes – Denúncia e Diagnóstico.

Por um lado, procura responder às situações de denúncia que lhe são encaminhadas pelo SOS Criança, via Linha 116 000 – número europeu para as crianças desaparecidas, ou via outras entidades públicas e particulares. Estas situações correspondem, na maioria dos casos, a denúncias de fugas de menores que, devido a múltiplas vivências problemáticas, fogem de casa ou da instituição onde estão acolhidas.

Embora a recepção de denúncias se encontre circunscrita ao Distrito de Lisboa, sempre que exista uma situação de desaparecimento fora desta área geográfica, outras instituições parceiras (Rede Construir Juntos) são mobilizadas para intervir na recuperação do(a) menor em causa.

Num momento posterior à localização do(a) menor são efectuadas as diligências necessárias para averiguação dos motivos que estão na origem do desaparecimento. Nesta fase, são ainda despoletados serviços, num contexto de trabalho em parceria, que visam auxiliar o(a) menor e a sua família a ultrapassar esta situação, proporcionando-lhes apoio social, psicológico e/ou jurídico.

Por outro lado, e no que diz respeito à vertente do diagnóstico, a equipa compromete-se a intervir na procura de respostas para as crianças que são identificadas em contexto de rua na cidade de Lisboa, articulando e definindo planos de intervenção com as entidades locais para a efectiva reintegração destas crianças nas suas comunidades de origem ou instituições de acolhimento.

Utilizando os giros diurnos e nocturnos como metodologia privilegiada, técnicos e animadores percorrem a cidade, a pé ou com recurso à Unidade Móvel Lúdico - Pedagógica, com especial incidência nas zonas de elevado risco social e cujas problemáticas se inscrevem nas piores formas de exploração de trabalho infantil, nomeadamente a mendicidade, tráfico e a prostituição infantil.

- ÁREA DE APOIO ÀS COMUNIDADES

Acreditando que em cada comunidade existem forças capazes de dar resposta às suas próprias necessidades, numa dinâmica concertada, tem sido possível direccionar esforços, movimentar vontades e ir transformando recursos dispersos em respostas mais adequadas e integradas às necessidades e interesses do grupo alvo.

Promovemos a criação de grupos interinstitucionais quando não existem, e integramos os já existentes, quer sejam formais ou informais, como são exemplo os Consórcios do Programa Escolhas.

Consideramos que esta é a metodologia privilegiada de se estar numa comunidade, promovendo e incentivando as intervenções integradas entre as instituições locais.

Com base na partilha de experiências e de saberes, não só do que se traz na bagagem, mas também o que se vai aprendendo aqui para acrescentar ali, de comunidade em comunidade passamos o que de bom se faz para ajudar outros a fazer melhor.

E falando em aprender, eis que surge a Acção “Aprender na Rua”, que já passou pelas ruas de Famões e 6 de Maio e está agora na Arroja, Boavista e Quinta da Serra.

Com a Unidade Móvel lúdico-pedagógica, provamos que na rua também é possível aprender regras, comportamentos adequados, coisas sérias e outras mais divertidas.

Embora num contexto informal, estamos muito atentos às situações de risco e mobilizamos todos os parceiros que podem ajudar a resolvê-las.

Esta Acção vai igualmente visitar os meninos à escola, levando na sacola direitos e deveres para ensinar ou simplesmente recordar.

Crianças, jovens e técnicos também aprendem em cada intercâmbio, em cada momento que se está com outras pessoas, com crianças e jovens de bairros diferentes e até de outros países, onde se misturam saberes, experiências e onde se sai sempre um pouco mais rico.

Criamos projectos em que promovemos e valorizamos o desenvolvimento de competências, especialmente de participação e nas quais são abordadas temáticas relacionadas com os Direitos e Deveres das Crianças e da Educação para a Cidadania.

- ÁREA DE INTERVENÇÃO EM MODELO INTEGRADO

Para que cada criança possa “crescer em pleno” acreditamos que é em meio natural de vida que ela estabelece vínculos fundamentais para o seu desenvolvimento e exercício da cidadania.

Neste sentido, esta equipa procede ao acompanhamento sistemático e personalizado de crianças, jovens e suas famílias em situação de risco social. Esta resposta social caracteriza-se por ser uma intervenção com o grupo-alvo de forma integrada indo ao encontro das suas necessidades, apoiando na resolução de problemas e estimulando o desenvolvimento das suas capacidades e competências com vista à sua organização e autonomia.

Para fazer face a este desafio surge o Centro de Apoio Familiar e Aconselhamento Parental “Em Família para Crescer”- Pontinha com uma equipa multidisciplinar em regime de exclusividade. Esta intervenção assenta na co-responsabilização interinstitucional, no sentido da definição de formas de complementaridade, rentabilização e articulação de sinergias.

Assim, o IAC – Projecto Rua assume-se como uma entidade mediadora e dinamizadora desta parceria em modelo integrado, que se foi reforçando ao longo dos vários anos de trabalho, e estabelece também a mediação entre todas estas instituições e grupo-alvo, colaborando na execução de medidas de inserção, Promoção e Protecção, Tutelares Educativas e/ou Processos Penais.

- ÁREA DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO

Em Marvila focalizámos a nossa acção em jovens que, continuando no seio familiar, vivem num mundo difícil de penetrar, com outras regras, outros valores, outros estilos de vida.

A Acção Educar e Formar para Inserir surgiu em 2004 para abrir outras perspectivas de futuro a estes jovens que, ao desenvolverem as suas competências, partem à conquista de um novo lugar no mundo.

Assim, esta apresenta-se como uma modalidade diversificada, flexível e complementar, face às modalidades existentes. Pretendemos, também, garantir as condições de enquadramento para um bom desempenho em todo o processo educativo/formativo, de forma a atingir a mudança de comportamentos e atitudes, pelo acompanhamento social, pela consolidação e o reforço das competências pessoais e sociais e pela aquisição de competências educativas e profissionais.

Uma vez que se trata de uma problemática multifacetada, esta acção está estruturada para funcionar em três componentes distintas e complementares entre si, mas em constante interacção, constituindo, por si só, uma “chave metodológica”:

Componente Pessoal - assenta no princípio “Ser para Socializar” segundo o qual, a partir da relação personalizada com o jovem, lhe é dada a oportunidade de (re) construir o seu percurso e de (re) aprender a interagir com os outros e com a própria vida.

Componente Teórica - assenta no princípio “Adquirir para Validar”, substituindo a ruptura com a escola pelo gosto de aprender.

Componente Prática - assenta no princípio “Inserir para Formar", vivenciando a realidade do mundo do trabalho e reforçando as competências trabalhadas.

- ÁREA DAS REDES SOCIAIS

A acção desta área estende-se a toda a equipa do Projecto Rua e procura chegar a toda a sociedade, sensibilizando para o fenómeno das crianças em perigo.

Pretendemos trazer à superfície os problemas que incidem sobre estas crianças e jovens, potenciando a participação da sociedade civil e contribuindo para a criação de políticas integradas nas áreas da infância e juventude.

Assim, a Área das Redes Sociais estrutura-se em 4 eixos:

- Eixo Divulgação/Transferibilidade – dá ênfase à visibilidade da intervenção do Projecto Rua e promove a divulgação das suas metodologias, de modo a contribuir para o desenvolvimento pedagógico de quem nos visita, procurando e partilhando boas práticas.
- Eixo Formação – promove o enriquecimento teórico-prático, quer da equipa, quer de outros interventores sociais, visando uma melhoria e/ou adequação da intervenção à realidade social com que nos deparamos quotidianamente.
- Eixo Cooperação Nacional – dinamiza e participa em redes sociais de âmbito nacional, cooperando com as instituições parceiras na elaboração e implementação dos planos de acção das redes, envolvendo o grupo-alvo como agentes de mudança, tomando consciência dos seus direitos e deveres e a importância de exercerem uma cidadania activa. Destaca-se a este nível a dinamização da Rede Construir Juntos.
- Eixo Cooperação Internacional – procura cooperar com as Redes Europeias, tendo em vista a melhoria das práticas de intervenção, assumindo o IAC, o papel de mediador nos esforços de mobilização e participação do grupo-alvo na implementação de acções que promovam a inclusão social. A este nível, o IAC assume também o papel de interlocutor privilegiado entre estas redes e os PALOP, onde desenvolve um trabalho de supervisão e monitorização de projectos locais, nomeadamente em Cabo Verde.