Português (pt-PT)
botao_donativos facebook_32
Ínicio Mediação Escolar


IRS 2013


exposicao

palavrasatos

historias_com_direitos

Mediação Escolar

O SOS-CRIANÇA do Instituto de Apoio à Criança, procura dar resposta às situações a partir de uma intervenção local e nesse sentido surge a mediação escolar, que dinamiza, acompanha e supervisiona os diferentes gabinetes de mediação escolar.

Os gabinetes de Apoio ao Aluno e à Família definem uma metodologia de abordagem individual, apoiada num clima de confiança entre técnico e aluno, e numa articulação de trabalho entre os diferentes serviços de apoio da escola e parceiros da comunidade.

Este trabalho tem como objectivo a intervenção nos problemas sociais que afectam o aluno procurando a sua integração social.

FINALIDADE

A Mediação Escolar tem como finalidade a integração social de alunos a partir da criação e supervisão dos Gabinetes de Apoio ao Aluno e à Família (GAAF).

OBJECTIVOS

Contribuir para o crescimento harmonioso e global da criança, promovendo um ambiente mais humanizado e facilitador da integração social.

Constituir-se como um observatório da vida na escola, detectando as problemáticas que afectam alunos, famílias e comunidade escolar, propondo-se reflectir sobre as mesmas de modo a planear a intervenção mais adequada.

METODOLOGIA

A intervenção é sustentada num modelo de apoio e supervisão aos GAAF.

Trabalho de parceria com os diferentes serviços de apoio existentes na escola, com os animadores que centram o seu trabalho no pátio e com os recursos da comunidade.

ACÇÕES

- Dinamização dos GAAF;

- Formação dos técnicos dos GAAF;

- Apoio e acompanhamento das situações sinalizadas nos GAAF;

- Supervisão das diferentes acções promovidos pelos GAAF;

- Implementação dos diferentes instrumentos da Mediação Escolar;

- Sensibilização dos vários agentes comunitários para as situações-problema;

- Colaboração com as instituições da comunidade no desempenho das actividades;

- Atendimento Psicológico, às crianças e famílias, objecto de intervenção pelos técnicos do SOS-Criança, nas situações que não encontram resposta ao nível da Comunidade local;

- Atendimento Social às crianças e famílias objecto de intervenção pelos técnicos do SOS-Criança às situações que não encontram resposta a nível da Comunidade local;

- Enquadramento de Estagiários;

- Apoio na realização de trabalhos académicos;

- Publicação de artigos relativos a estas problemáticas;

- Participação em seminários e encontros de reflexão sobre estas problemáticas.

Gabinete de Apoio ao Aluno e à Família – GAAF

FINALIDADE

Contribuir para o crescimento harmonioso e global da criança, promovendo um ambiente mais humanizado e facilitador da integração social.

OBJECTIVOS GERAIS

Diminuir situações:

- De abandono escolar;

- De absentismo escolar;

- De violência escolar;

- Que coloquem em causa a integridade física e emocional da criança/jovem;

- De consumo de substâncias psicoactivas.

 

OBJECTIVOS ESPECÍFICOS

Contribuir para a reflexão e concretização do projecto de vida da criança;

Contribuir para o desenvolvimento equilibrado das relações familiares;

Promover a relação escola/família;

Articular intervenções com os apoios pedagógicos existentes na escola;

Promover a inter-relação entre os alunos, professores e funcionários;

Criar e dinamizar a Rede de Apoio Social (RAS).

 

METODOLOGIA

Abordagem e acompanhamento à criança/jovem, em contexto informal e formal, estabelecendo uma relação de confiança e empatia com a mesma;

Abordagem e acompanhamento à família, em contexto informal e formal, estabelecendo uma relação de confiança com a mesma;

Articulação directa e permanente com professores e elementos da comunidade educativa;

Trabalho em parceria com entidades e organismos externos de apoio.

 

INTERVENÇÃO ALUNO

Acompanhamento individualizado e em grupo no pátio;

Atendimento ao aluno;

Apoio psicossociopedagógico;

Encaminhamento.

 

FAMÍLIA

Atendimento ao encarregado de educação/família;

Encaminhamento para outras entidades;

Visitas domiciliárias.

 

ESCOLA

Trabalho com directores de turma e professores;

Trabalho articulado com serviços internos;

Reuniões com delegados e subdelegados de turma;

Apoio e acompanhamento a grupos/turma;

Reuniões de Equipa Técnica e de Coordenação.

 

COMUNIDADE

Trabalho em parceria com os recursos da comunidade;

Reuniões com Redes de Apoio existentes na comunidade.